BlogBlogs.Com.Br

CATIVA-ME

Glitter Photos

ESCREVAM-ME!

PROFESSORAS VISITANTES
FICO HONRADA COM O SUCESSO DO LINGUAGEM.
E GRAÇAS A VOCÊS!
SERIA MUITO BOM RECEBER PALAVRINHAS...
QUEM SABE SUGESTÕES,DEPOIMENTOS,ETC.
EMAIL ABAIXO:

Colaboração e Direitos

Colaboração e Direitos Autorais
Olá amiga(o) ,
Fui professora dos projetos "Estímulo À Leitura",
"Tempo Integral" e a favor da leitura lúdica,
afinal, quer momento mais marcante que a fantasia da vida?
Portanto, será um prazer receber sua visita em mais um blog destinado a educação.
Nele pretendo postar comentários e apreciações de materiais didáticos de Língua Portuguesa, além de outros assuntos pertinentes, experiências em sala de aula, enfocando a interdisciplinaridade e tudo que for de bom para nossos alunos.
Se você leu, experimentou, constatou a praticidade de algum material e deseja compartilhar comigo,
esteja à vontade para entrar em contato.
Terei satisfação em divulgar juntamente com seu blog, ou se você não tiver um, este espaço estará disponível dentro de seu contexto.
Naturalmente, assim estaremos contribuindo com as(os) colegas que vêm em busca de sugestões práticas.
Estarei atenta quanto aos direitos autorais e se por ventura falhar em algo, por favor me avise para que eu repare os devidos créditos.
Caso queira levar alguma publicação para seu blog, não se
esqueça de citar o "Linguagem" como fonte.
Você, blogueira sabe tanto quanto eu, que é uma satisfação ver o "nosso cantinho" sendo útil e nada mais marcante que
receber um elogio...
Venha conferir,
seja bem-vinda(o)
e que Deus nos abençoe.
Krika.
30/06/2009

VejaBlog - Seleção dos Melhores Blogs/Sites do Brasil

LINGUAGEM FOI SELECIONADO EM JANEIRO/2011.
OBRIGADA!

Daisypath Anniversary tickers

Daisypath Anniversary tickers

Linguagem social...

Glitter Photos

Comemoração

Glitter Photos
JUNHO 2017
8 ANOS DE LITERATURA INFANTIL

segunda-feira, fevereiro 27, 2012

Poemas prontos para voar> Relato> 27/02/12


"O livro é um passaporte, é bilhete de partida."

Bartolomeu Campos de Queirós

Trouxe  este relato de uma professora sobre sua experiência em sala de aula.

Poemas prontos para voar .

Catar feijão se limita com escrever:

joga-se os grãos na água do alguidar
e as palavras na da folha de papel;
e depois, joga-se fora o que boiar. [...]
João Cabral Melo Neto. Obra Completa.
Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1999.


Rosa Maria Mendes de Lima é professora da Escola Estadual Dona Indá, de Altinópolis (MG), semifinalista da categoria Poema.


Tem que rimar?
 É obrigado fazer?
Vale ponto?”
Parece que estou ouvindo novamente essas perguntas.
Tento buscar naquelas carinhas assustadas uma ideia para iniciar este relato.
“Dúvida” e “insegurança” são as palavras certas para nomear o que estou sentindo agora.
 Provavelmente, o que sentiram os meus alunos quando propus as primeiras produções de poemas.
Talvez fosse melhor começar pela frase que fez todo o meu trabalho valer a pena:
“D. Rosinha, estão roubando nossos poemas!”.

Recordo-me de quando fui falar da Olimpíada e do material às minhas turmas.
Em uma delas, na zona rural, com vários alunos com defasagem escolar e baixa autoestima, não gostaram da proposta de trabalhar com poemas.
Quando fiz a primeira pergunta: “Quem gosta de poesia?”, apenas uma aluna levantou a mão.
Outro ainda comentou: “Eu detesto poesia!”.
Perguntei o motivo do não gostar, a maioria respondeu que era coisa de babaca.
 É, estava aí o meu primeiro desafio.
 Pensei em trabalhar só com as outras três turmas.
Seria mais confortável... Mas seria justo?




Enquanto buscava resposta, lembrei-me de um texto do qual gosto muito: “Eu e a cabana”, de Andréa Bonfim Perdigão. É a história de um menino que encontrou uma cabana e disse-lhe que achava muito chato ela ser vazia. A cabana respondeu-lhe: “Eu sou assim por sua causa. Se eu fosse cheia de coisas, não adiantaria você esperar coisa nenhuma de mim”. Quando o menino estava prestes a deixá-la, um vento soprou tão forte que um monte de flores caiu no chão da cabana, deixandoa toda colorida. A cabana disse então ao menino: “Tenha mais ideias a meu respeito. Posso ser do jeito que você quiser. Porque sou vazia”. Nesse momento, o menino compreendeu o que ela queria dizer.
A cabana era vazia para que ele pudesse colocar dentro dela todos os seus sonhos, todos os seus segredos e todas as suas ideias.

Assim, vi o meu bom senso retornar: “Se eu, que sou professora, não acreditar neles, quem vai acreditar?”.
Concluí que deveria deixá-los bem motivados, antes de iniciar as oficinas.
Decidi começar com poemas curtos.
Antes, porém, transcrevi o poema “Convite”, de José Paulo Paes1, na lousa.
Fiz várias leituras que o poema permitia.
Depois, continuei: “E aí, meninos, se estou certa, brincar é o que vocês mais sabem e gostam de fazer, não é?
Então, vamos brincar!”.
Escrevi o nome de alguns alunos na lousa e comecei a brincar com as palavras e com as sílabas.
Parece que gostaram da brincadeira, e logo quase toda a turma já fazia o mesmo com seus nomes e sobrenomes.
 As crianças lançaram mão de vários recursos poéticos, mesmo sem saber:

2798_npli2
Meu objetivo era aproximá-los dos poemas.
Levei-os à biblioteca para escolher livros para ler em sala de aula e em casa.
Li vários poemas para eles.
Alguns ainda resistiram, não quiseram ouvi-los.
O que fazer?
 Poemas, os alunos não queriam.
Mas eu sabia do que eles gostam: histórias em quadrinhos, estavam até lendo a revistinha do Ziraldo A Vivamática.
Aproveitei a ocasião e dividi a turma em pequenos grupos e pedi-lhes que contassem a história do Menino Maluquinho em forma de poema.
Empolgada com o resultado, lembrei-me de outro gênero textual que estudamos no início do ano e em que eles também se envolveram: o conto.
Pesquisei poemas narrativos que abordassem o mundo infantil.
Antes de lê-los, contava as histórias deles como se fossem contos.
“Porquinho da Índia”, de Manuel Bandeira; “Menino doente”, de Mário Quintana; “A boneca”, de Olavo Bilac.
Falei de prosa, estrofes e versos, rima, ritmo, repetições, e também sobre o sentido dos diminutivos. Perguntei a eles se lembravam de algum brinquedo que ganharam na infância, do qual sentiam saudade.
Pedi-lhes que contassem para o colega essa história: “Agora tente contá-la por escrito, em forma de poema”.
Para “esquentar” um pouco mais as turmas, voltei a uma questão do Caderno do Professor e propus aos alunos que percorressem a escola perguntando:
“Qual a diferença entre poema e poesia?”.
Ninguém sabia responder.
Uns buscavam dicionários, outros me procuravam para saber.
A ação movimentou a escola.
 A turma “curtiu explicar a questão para os professores”.
Na primeira oficina, quando os alunos saíram em busca dos poemas que a comunidade conhecia, expliquei a eles que poderiam – como a população da região gosta muito de música sertaneja – coletar letras de canções.
Assim, ninguém deixou de participar e o mural ficou bem diversificado.
Continuei com o estudo do recurso poético.
 Levei para a sala o poema “Bolha”, de Cecília Meireles2.
Mostrei aos alunos o jogo de sons que se alternavam e as repetições que criavam o ritmo.
Chegou a hora de produzir o primeiro texto sobre o tema da Olimpíada.
Julguei que não encontrariam tanta dificuldade, pois já haviam estudado várias características de um poema. Enganei-me.
Percebi que faltavam informações sobre a cidade.
Solução?
Biblioteca.
Encontramos uma obra riquíssima: História de Altinópolis nos séculos XVIII, XIX e XX, de José Iglair Lopes.
A leitura dos livros foi feita em sala de aula e em casa.
Muitos pais ficaram curiosos e quiseram conhecer a história de nossa cidade.
Outra etapa que exigiu muita atenção foi a reescrita dos textos.
Novamente foi preciso levantar o ânimo da criançada.
Expliquei aos alunos que até os grandes escritores reescrevem seus textos várias vezes e mostrei-lhes o rascunho de um poema de Vinicius de Moraes publicado na revista Na Ponta do Lápis, nº4, página 16.
Depois li e comentei o poema “Catar feijão”, de João Cabral de Melo Neto, em que o poeta compara o ato de catar feijão com a reescrita do texto: selecionar, eliminar as palavras que boiam, ou seja, as repetições de palavras ou expressões inadequadas.
Para aproximar ainda mais do cotidiano deles, comparei também com o café sujo espalhado no terreiro para rastelar.
 Se não tirar as impurezas, não terá bom preço no mercado.
Inicialmente, fiz a reescrita coletiva de um dos textos.
Depois, organizei os alunos em duplas para que trocassem ideias antes da reformulação do poema.
Planejei três aulas para essa etapa.
Sentei com cada dupla para ouvir os autores, auxiliá-los na correção e dar sugestões.

2798_npli3


1. José Paulo Paes. Poemas para brincar. 2ª- ed. São Paulo: Ática, 1991.
2. Cecília Meireles. Ou isto ou aquilo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2002.

O poema reescrito revela o que o aluno aprendeu durante as oficinas de escrita.
Em “o vento veio morar” e “por se esconder entre belas serras” a cidade e o vento adquiriram características humanas – personificação.
Na primeira estrofe a escolha do verbo “esconder”, no penúltimo verso, amplia as possibilidades de interpretação: sentido próprio e figurado.
Na segunda estrofe, o aluno poeta brinca com as palavras “vento” e “Ventania”, repetindo a palavra e a consoante – aliteração –, para dar mais ritmo ao poema.
Especificou o que queria dizer e terminou com um paralelismo sintático, que se repete em outras estrofes.
Na terceira estrofe, com muita originalidade, afirma que o leite caindo na caneca é magia e a mágica de sua vaca Fada supera qualquer outra, porque é sem varinha de condão.
E, para finalizar a estrofe, lança mão da metáfora.
Observe também como mudou o pensamento dos alunos sobre poesia:

2798_npli4

Os poemas estavam ali, prontos para voar... muitos deles ilustrados.
Organizamos um pequeno sarau.
Reservei três aulas para trabalhar a leitura.
Para acertar o ritmo e a entonação, lemos e relemos várias vezes o poema.
Providenciei cópias deles.
Uma para o sarau e outra para exposição.
Nossa escola é rodeada de árvores.
Resolvemos embelezá-las ainda mais.
Amarramos em seus galhos cordões com os poemas.
Eu estava na sala de aula com alguns pais, quando veio um aluno me chamar:
 “Dona Rosinha, estão roubando os nossos poemas!”.
Verifiquei, com prazer, que muitos deles haviam sumido.
Isso não é problema.
“Enquanto existirem pessoas dispostas a roubar poemas, estarei aqui para incentivar os pequenos a escrevê-los”, pensei.
Para completar a nossa alegria, um de nossos alunos está na semifinal.
Nós conseguimos.
A cabana está cheia de flores!







 




Link para essa postagem


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário e retornarei assim que for possível.
Obrigada pela visita e volte mais vezes!
Linguagem não se responsabilliza por ANÔNIMOS que aqui deixam suas mensagens com links duvidosos. Verifiquem a procedência do comentário!
Nosso idioma oficial é a LINGUA PORTUGUESA, atenção aos truques de virus.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mais sugestões...

2leep.com
 
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios