BlogBlogs.Com.Br

CATIVA-ME

Glitter Photos

ESCREVAM-ME!

PROFESSORAS VISITANTES
FICO HONRADA COM O SUCESSO DO LINGUAGEM.
E GRAÇAS A VOCÊS!
SERIA MUITO BOM RECEBER PALAVRINHAS...
QUEM SABE SUGESTÕES,DEPOIMENTOS,ETC.
EMAIL ABAIXO:

Colaboração e Direitos

Colaboração e Direitos Autorais
Olá amiga(o) ,
Fui professora dos projetos "Estímulo À Leitura",
"Tempo Integral" e a favor da leitura lúdica,
afinal, quer momento mais marcante que a fantasia da vida?
Portanto, será um prazer receber sua visita em mais um blog destinado a educação.
Nele pretendo postar comentários e apreciações de materiais didáticos de Língua Portuguesa, além de outros assuntos pertinentes, experiências em sala de aula, enfocando a interdisciplinaridade e tudo que for de bom para nossos alunos.
Se você leu, experimentou, constatou a praticidade de algum material e deseja compartilhar comigo,
esteja à vontade para entrar em contato.
Terei satisfação em divulgar juntamente com seu blog, ou se você não tiver um, este espaço estará disponível dentro de seu contexto.
Naturalmente, assim estaremos contribuindo com as(os) colegas que vêm em busca de sugestões práticas.
Estarei atenta quanto aos direitos autorais e se por ventura falhar em algo, por favor me avise para que eu repare os devidos créditos.
Caso queira levar alguma publicação para seu blog, não se
esqueça de citar o "Linguagem" como fonte.
Você, blogueira sabe tanto quanto eu, que é uma satisfação ver o "nosso cantinho" sendo útil e nada mais marcante que
receber um elogio...
Venha conferir,
seja bem-vinda(o)
e que Deus nos abençoe.
Krika.
30/06/2009

VejaBlog - Seleção dos Melhores Blogs/Sites do Brasil

LINGUAGEM FOI SELECIONADO EM JANEIRO/2011.
OBRIGADA!

Daisypath Anniversary tickers

Daisypath Anniversary tickers

Linguagem social...

Glitter Photos

Comemoração

Glitter Photos
JUNHO 2017
8 ANOS DE LITERATURA INFANTIL

quinta-feira, março 13, 2014

Estímulos literários > Hora da história > Creche > 13/03/14




Atendendo ao pedido fui pesquisar sobre atividades estimuladoras para contação de histórias  na creche.
A medida que encontrar mais atividades ou dicas pedagógicas colocarei a disposição no Linguagem, com o título CRECHE/ESTÍMULOS LITERÁRIOS.


SENSIBILIZAÇÃO
 Procure iniciar c ada dia de atividade preparando o ambiente c om alegria interior, recebendo as crianças 
com um sorriso, bom humor e disposição íntima. A música, a poesia, a prece auxiliarão o início das atividades num padrão elevado, com alegria e felicidade de estar ali.
 A prece não deve ser trabalhada apenas em uma “aula”, mas vivenciada em todas as reuniões, de forma
espontânea e natural, para que se intensifique a interação vertical c om as esferas superiores e a criança amplie sua sensibilidade e sua ligação c om Deus.

MÉTODO INTUITIVO
Não apresente definições às crianças, mas procure leva- la a perceber, compreender o sentido real do 
conteúdo em estudo, sem preocupações com definições ou denominações. 
O importante é que ela compreenda e sinta em seu íntimo a essência do conteúdo em estudo.

A DINÂMICA
Procure alternar atividades dinâmicas, movimento corporal, com atividades calmas, que estimulem a
 concentração, atividades criativas de relaxamento e silêncio.
Sugestões de atividades:
Atividades dinâmicas:
 Músicas com gestos, bandinha rítmica, canto dança, rodas e brinquedos cantados atividades lúdicas e jogos de classe,corridas de pequeno percurso, saltar obstáculos.

INCENTIVO À LEITURA
Desde pequena a criança pode ser levada a gostar do livro. 
Nesta idade, as crianças gostam de folhear livros ilustrados e bem coloridos. 
Conte histórias que destacam a ação dos personagens, mostrando gravuras,especialmente as que retratam a beleza da natureza.
Explore os livros infantis o máximo possível.
Utilize de poesias, mas prefira a declamação com ênfase na entonação da voz.
A criança menor tem  menos tempo de concentração, ou seja, para ela 10 minutos de atenção é uma "vida"...
As histórias devem, portanto serem curtas, com recursos visuais. O mais tradicional : gravuras coloridas.
Utilize música e poesia juntas.
Sugiro que explore um objeto, um brinquedo, por exemplo, um bichinho de pelúcia.
( O universo de exploração é imenso, portanto, a medida que eu for encontrando atividades específicas, trarei para cá).
Vejam no link abaixo sugestões  de atividades para aulas utilizando recursos variados:
VEJAM MAIS AQUI: |Conteúdos básicos

BIBLIOTECA
Tão importante quanto garantir que as crianças tenham acesso a bons livros desde bem pequenas, é organizar ambientes convidativos, aconchegantes e singulares para que elas possam usufruir das histórias em situações prazerosas de interação com os colegas, professores e famílias. 
A iniciativa de construir uma biblioteca na sala para com as crianças, constitui-se uma excelente oportunidade para fomentar o contato das crianças com os livros, criar lugares mágicos, cheios de identidade, e realizar rodas de leituras. 
Objetivos 
- Construir, coletivamente, uma biblioteca como lugar capaz de abrigar não somente livros, mas de suscitar rituais agradáveis de leitura; 
- Apresentar o acervo de livros, promovendo o gosto pelas histórias e ampliando repertórios; 
- Estreitar a relação creche-família por meio do empréstimo de livros.
Desenvolvimento 
1ª etapa
O primeiro passo é o professor discutir com seus parceiros - outros professores e equipe gestora - sobre os livros que pretende escolher para compor o acervo de sua futura biblioteca de sala. 
Essa escolha implica que o educador seja, acima de tudo, um leitor, que tenha interesse em se aventurar no mundo das histórias para conhecê-las, antes de lê-las para seu grupo de crianças. Selecionar temas como: animais, objetos sonoros, família, transportes, personagens de diferentes etnias, histórias cumulativas com várias figuras do universo do faz de conta (bruxas, piratas, lobos). 
Outra dica é escolher livros coloridos, com ilustrações bem definidas, textos curtos e alguns com fotografias reais das coisas. É importante garantir um equilíbrio entre a quantidade de livros de capa dura com livros de material convencional, pois é comum que algumas páginas se danifiquem, rasguem ou que sejam levadas à boca, em razão do grande interesse e da necessidade da meninada em manipular as publicações. 
Não se esqueça de incluir no acervo livros que contenham apenas imagens, pois eles favorecem a criação de histórias próprias das crianças. 
2ª etapa
Deve-se organizar um lugar onde os livros ficarão expostos e acessíveis às crianças. De preferência, escolha um canto em que haja o encontro das paredes ou então aproveite a parte traseira de móveis e armários. 
Depois, é possível confeccionar suportes de tecido com vários bolsos, trilhos de cortina virados ao contrário para serem fixados à parede, baús de madeira pintados pelas crianças ou até mesmo aqueles caixotes de feira, que se ganharem rodinhas e cor ficam melhores ainda, uma vez que poderão ser transportados de um lugar para o outro. 
3ª etapa
Uma prática que dá bastante resultado é construir um tapete com as crianças. 
O objetivo principal aqui é fazer com que o tapete tenha "a identidade" delas, uma vez que servirá como um indicador dos momentos de leitura, iniciando assim um ritual próprio da turma. 
Separe um tecido de algodão cru de mais ou menos 2 por 2 metros. 
Veja a possibilidade de alguma família ou profissional da creche costurar as bordas do tecido para que o tapete não desfie conforme o uso. 
Convidar alguém da comunidade interna ou externa faz com que o trabalho comece a ser partilhado entre todos, dando noções para as crianças de que é importante realizar as ações de maneira coletiva. Acredite, sempre terá alguém disponível para ajudar! 
De posse do tapete, organize com as crianças situações de pintura. 
Nessa hora vale experimentar muitas técnicas: carimbar o tecido usando esponjas e guache; desenhar as silhuetas das crianças pedindo que elas se deitem sobre o tapete, fazer a sobreposição dos contornos e, em seguida, pedir que elas pintem por cima usando tintas.
 Fazer intervenções com fitas crepes ou outros moldes de desenhos de interesse da turma - bichos, símbolos - para que elas passem rolinhos de pintura e deixem suas marcas sobre o tecido. 
Feito isso, é só esperar secar para depois começar a usá-lo como um indicador do ritual das rodas de leitura na biblioteca. 
4ª etapa
Outra estratégia para delimitar o ambiente é solicitar às famílias que enviem para a instituição camisetas, vestidos ou outras roupas reconhecidas pelas crianças para que esse material seja preenchido com espuma, costurado nas aberturas e depois pintado pelas próprias crianças, transformando-se em "almofadas personalizadas". 
É curioso ver a criançada de posse de sua própria roupa reaproveitada como estofados para sentar-se e deitar-se enquanto os livros são apreciados. 
5ª etapa
Apresente os livros da biblioteca aos poucos às crianças. 
Uma ideia é reunir a turma no "cantinho" do tapete diariamente em um horário específico, como, por exemplo, logo após o lanche, e apresentar alguns. 
Você pode ler o título e até o comecinho da história, mostrar as ilustrações e fazer perguntas sobre o que eles acham que acontecerá. 
Um pouco de suspense ajuda a aumentar a curiosidade da turma pelos livros. 
Deixe que as crianças também se envolvam com a organização dos volumes na estante. 
A divisão pode ser bem simples, como os gibis e revistas de um lado e os livros de outro. 
Outra classificação pode ser: ‘os que gostamos mais’ e os que ‘ainda não conhecemos’. 
Ou os livros que trazem histórias e os informativos, que explicam coisas. 
Os pequenos devem ter noção de que tipo de livros encontrarão em determinado lugar da estante. 
É importante que as crianças tenham acesso livre à biblioteca (ou ao menos a parte dela) e possam manusear os livros à vontade sob o olhar do professor - além do momento específico da leitura conduzido pelo educador com um enfoque direcionado a uma determinada prática.
6ª etapa
E qual deve ser a relação do professor com a leitura?
 Na biblioteca, o foco é pensar na sua prática enquanto leitor. 
Você é, afinal, o responsável por apresentar o mundo da leitura e é o mediador entre o objeto livro, as crianças e as relações que ali se estabelecem. 
Nessas situações, certas estratégias e posturas são importantes, tais como: antes de iniciar a roda de leitura, o professor deve mostrar o livro para as crianças, chamar a atenção para sua capa, ler e apontar para o título, dizer quem escreveu a história, quem a ilustrou e qual o nome da editora. 
As crianças se interessam por essas informações, por vezes perguntam sobre quem fez o livro e se manifestam com sorrisos, gargalhadas e palmas quando o nome é engraçado! 
Indagá-las sobre o que acham que a história vai contar, incentivando-as a levantarem hipóteses e anteciparem a narrativa, constitui-se um estímulo à imaginação e ao desenvolvimento da oralidade. 
Também é necessário ler o texto na íntegra, sem suprimir trechos, pois isso ajuda a criança a perceber que as palavras representam a fala, que há muitos jeitos de se contar e diferentes estilos e estruturas de textos (rimas, poesias, contos, lendas...). 
Aliás, diversificar os tipos de livros, apresentando-os diária ou semanalmente possibilita que as crianças se apropriem deles com mais liberdade e competência ao manuseá-los sozinhos. 
Durante a leitura, procure caprichar nas entonações de voz que transmitam emoção, suspense, surpresa e alegria. 
Outra dica é ler mostrando as ilustrações.
 Essa estratégia os deixa mais envolvidos com a narrativa. 
Mas deixe para fazer os comentários sobre as ilustrações após a leitura do texto. 
Uma maneira de comentá-las é imaginar que somos interlocutores de uma "obra de arte", fazendo perguntas que podem ser mais simples ou complexas, respeitando a idade da criançada. Geralmente, mostramos a ilustração e incentivamos que digam: 
O que vêem na imagem? 
O que será que o personagem fez/está fazendo/fará? 
O que chama a atenção? 
O que aparece na cena? 
Quais objetos aparecem? 
Quais as cores? 
Como está o personagem? Triste? Alegre? 
Qual será seu nome? 
Se repentinamente surge algo inusitado como, por exemplo, uma girafa, quem já viu esse animal? 
E
ntre tantas outras possibilidades de intervenção. 
Em suma, o professor leitor é aquele que, por meio da leitura, leva a criança a conhecer novos universos, despertando de alguma maneira afetos e sentimentos, que podem ser sensações de alegria, prazer, mas também lembranças, saudades... 
7ª etapa
Para o empréstimo dos livros, faça na sala um painel que servirá como fichário. 
Vale construir um mural, cujo fundo seja colorido pelas próprias crianças. 
Uma boa ideia é usar papel panamá e aquarela; outra é pintar com pincéis largos sobre cartolinas ou, ainda, espalhar tinta guache com as mãos em suportes que podem ser plastificados com contact para durar mais. 
Em seguida, é possível fazer alguns bolsinhos e colocar as fotos de cada criança na frente deles. Dentro de cada bolso vai uma ficha que pode ser tanto relacionada ao nome da criança e às anotações do livro que ela levará para casa, quanto o contrário: a ficha pode ser retirada do próprio livro para ser colocada no bolsinho respectivo à criança. 
Elas se apropriam dos combinados aos poucos. 
No começo, a brincadeira fica por conta de tirar e por as fichas nos bolsos, trocando-os entre os colegas. 
Permitir essa experimentação inicial é saudável, para em seguida comunicar o uso correto. 
8ª etapa
Com relação ao início do empréstimo, combine com os pais ou responsáveis que a ideia é estreitar os vínculos entre a creche e a família por meio da leitura, assim como estabelecer um elo em que o livro seja o intermediador de histórias e outras conversas entre todos. 
O contrato aqui é definir um dia da semana (geralmente sexta-feira) e convidar as famílias para escolherem um livro junto com a criança, escutando suas preferências e estratégias de escolha, tais como: a história já conhecida, a capa que chama atenção, a editora, o autor, as ilustrações. 
Feita a seleção, criança e família levam o livro para casa dentro de uma sacolinha de pano ou pasta, ao melhor estilo "vai-e-vem". No dia combinado para a devolução do livro, é importante que o professor garanta uma roda de conversa para saber das crianças como era a história, do que elas gostaram, quem leu para ela, em que lugar o livro foi lido etc.
 Nessas situações, as crianças costumam falar aspectos ligados à afetividade vivida com a leitura: "Minha mãe leu pra mim", "Foi minha irmã que contou a história do lobo", "O macaco encontrou a mamãe dele...".
Avaliação 
Diante do processo, o mais significativo é desenvolver permanentemente as ações e atentar-se ao movimento do grupo. Com o tempo, é possível notar que, ao estender o tapete, as crianças já se acomodam e pedem para ouvir as histórias. 
Também é comum que elas peguem as próprias almofadas, usando-as enquanto entram no universo mágico dos livros. 
Um papel importante do educador é observar como as crianças manuseiam os livros, se contam as histórias para si mesmas e para os outros, se tentam interagir com as imagens, apontando-as ou tentando pegá-las, se repetem aquilo que ouviram. 
Ouvir a devolutiva das famílias é outro ponto forte. 
Por fim, não descuide da renovação do acervo da biblioteca. 
A chegada de novos livros potencializa o interesse das crianças e amplia o repertório delas.

Neste link abaixo da Revista Nova Escola  você encontra mais dicas e aulas com diversos recursos:  Conteúdos básicos











Link para essa postagem


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário e retornarei assim que for possível.
Obrigada pela visita e volte mais vezes!
Linguagem não se responsabilliza por ANÔNIMOS que aqui deixam suas mensagens com links duvidosos. Verifiquem a procedência do comentário!
Nosso idioma oficial é a LINGUA PORTUGUESA, atenção aos truques de virus.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mais sugestões...

2leep.com
 
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios