BlogBlogs.Com.Br

CATIVA-ME

Glitter Photos

ESCREVAM-ME!

PROFESSORAS VISITANTES
FICO HONRADA COM O SUCESSO DO LINGUAGEM.
E GRAÇAS A VOCÊS!
SERIA MUITO BOM RECEBER PALAVRINHAS...
QUEM SABE SUGESTÕES,DEPOIMENTOS,ETC.
EMAIL ABAIXO:

Colaboração e Direitos

Colaboração e Direitos Autorais
Olá amiga(o) ,
Fui professora dos projetos "Estímulo À Leitura",
"Tempo Integral" e a favor da leitura lúdica,
afinal, quer momento mais marcante que a fantasia da vida?
Portanto, será um prazer receber sua visita em mais um blog destinado a educação.
Nele pretendo postar comentários e apreciações de materiais didáticos de Língua Portuguesa, além de outros assuntos pertinentes, experiências em sala de aula, enfocando a interdisciplinaridade e tudo que for de bom para nossos alunos.
Se você leu, experimentou, constatou a praticidade de algum material e deseja compartilhar comigo,
esteja à vontade para entrar em contato.
Terei satisfação em divulgar juntamente com seu blog, ou se você não tiver um, este espaço estará disponível dentro de seu contexto.
Naturalmente, assim estaremos contribuindo com as(os) colegas que vêm em busca de sugestões práticas.
Estarei atenta quanto aos direitos autorais e se por ventura falhar em algo, por favor me avise para que eu repare os devidos créditos.
Caso queira levar alguma publicação para seu blog, não se
esqueça de citar o "Linguagem" como fonte.
Você, blogueira sabe tanto quanto eu, que é uma satisfação ver o "nosso cantinho" sendo útil e nada mais marcante que
receber um elogio...
Venha conferir,
seja bem-vinda(o)
e que Deus nos abençoe.
Krika.
30/06/2009

VejaBlog - Seleção dos Melhores Blogs/Sites do Brasil

LINGUAGEM FOI SELECIONADO EM JANEIRO/2011.
OBRIGADA!

Daisypath Anniversary tickers

Daisypath Anniversary tickers

Linguagem social...

Glitter Photos

Comemoração

Glitter Photos
JUNHO 2017
8 ANOS DE LITERATURA INFANTIL

sexta-feira, agosto 05, 2011

Conhecendo as aves> Quem sou eu?> Literatura>Recomendo 05/08/11

Conhecendo as aves (2)
Conhecendo o mundo das aves

Autor: Lérida de Oliveira
Co-autores: Cláudia Regina M. G. Fernandes; Lindomar de Oliveira Untaler
Adaptação/Literatura: Krika
Objetivos: 
Identificar as principais características de diferentes tipos de aves;
Conhecer comportamentos curiosos de diferentes tipos de aves;
Caracterizar sons produzidos por diferentes tipos de aves.

Duração das atividades: 03 aulas
Conhecimentos prévios trabalhados pelo professor com o aluno:
Noções básicas sobre os seres vivos.

Estratégias e recursos da aula:
Antes de iniciar a aula, cabe ao/a professor/a orientar os/as alunos/as sobre a importância da participação coletiva durante as atividades propostas, explicando que, dessa forma, poderá ocorrer uma maior integração e um diálogo mais amplo sobre o tema abordado.
Será necessário, para o desenvolvimento dessa aula, um netbook para cada aluno/a.
1º momento: explorando o mundo das aves
Nesse primeiro momento da aula, os/as alunos/as serão convidados a assistir em seus netbooks 3 vídeos sobre aves.
 Para tanto, cabe ao/a professor/a orientar os/as alunos/as a, empregando o software Mozilla Firefox, acessar os sites abaixo, nos quais os vídeos em questão se encontram disponíveis.

Vídeo 1: Aves Educação


Vídeo 2: Mundo das Aves


Vídeo 3: Aves em voo - Os verdadeiros senhores dos céus!!!


OBS: Cabe ao/a professor/a informar aos/as alunos/as que, na abertura do vídeo em questão, a palavra “voo” se encontra grafada com acento circunflexo, estando, portanto, incorreta de acordo com o Acordo Ortográfico da Língua Portuguesa.
Ocorre que a elaboração do vídeo é anterior à implementação do referido Acordo.
Atividade:
Finalizada a exibição dos vídeos, cabe ao/a professor/a iniciar um diálogo com os/as alunos/as sobre os temas abordados.
Esse diálogo pode ser norteado pelas seguintes questões:
1 – O que as aves têm de diferente dos outros animais?
2 – Todas as aves podem voar?
3 - Por quê?
4 – Como os filhotes de aves conseguem sair do ovo?
5 – Como os filhotes de aves se alimentam?
6 – Por que as aves cuidam bem das suas penas?
7 – Por que os pássaros têm muito apetite?
OBS: O/a professor/a deve ficar atento com possíveis equívocos, cabendo a ele/a imediatamente interferir e posicionar os/as alunos/as em relação às questões em pauta.

2º momento: descobrindo os sons das aves
Nesse segundo momento da aula, cabe ao/a professor/a conectar seu netbook a um kit multimídia e a um data show para trabalhar com os/as alunos/as o jogo “De quem é esse som?”, o qual se encontra disponível no site abaixo.
O jogo em questão apresenta os sons produzidos por diferentes tipos de aves.
O/a professor/a pode dar a cada aluno/a uma chance para tentar identificar um dos sons apresentados pelo jogo.
Depois disso, deve discutir com os/as alunos/as as diferenças percebidas pelos mesmos nos diferentes sons, observando como cada aluno/a expõe suas ideias.


Nesse terceiro momento da aula, os/as alunos/as serão convidados a elaborar um “baralho”, no qual as cartas serão representadas por imagens de aves.
Dessa forma, o tema da aula poderá ser abordado de forma lúdica.

Vale destacar que o/a professor/a de Ciências pode entrar em contato com o/a professor/a de Artes e pedir a contribuição do/a mesmo/a no desenvolvimento dessa atividade.
Com isso, os/as alunos/as poderão obter um melhor aproveitamento do conteúdo trabalhado na aula de Ciências, assim como poderão apresentar um bom engajamento e interesse na aula de Artes.
3º momento: aprendendo e brincando
A elaboração do “baralho”, cabe ao/a professor/a orientar os/as alunos/as a, empregando o software Mozilla Firefox, acessar o site Google Imagens (www.google.com.br/imghp) para a localização de imagens de aves.
Uma vez acessado o site, os/as alunos/as devem digitar a palavra “aves” no campo de busca e clicar no ícone “Pesquisar imagens”.
Serão localizadas, dessa forma, inúmeras imagens de diferentes tipos de aves.

Nessa etapa da elaboração do “baralho”, os/as alunos/as irão selecionar as 10 imagens das quais mais gostaram.
 Cabe ao/a professor orientá-los/as então a “copiar”, “colar” e “editar” essas imagens no software Kolourpaint.
O procedimento para tanto é o seguinte: posicionar o cursor do mouse sobre a imagem selecionada no site, pressionar o botão esquerdo do mouse pad para a abertura de uma janela de opções e pressionar o botão direito do mouse pad na opção “copiar”.
Feito isso, já no software Kolourpaint, deve-se pressionar o botão direito do mouse pad nas opções “editar” e “colar”.
Após “colada”, a imagem deve ter seu tamanho editado em 10 cm de largura por 15 cm de comprimento. Basta pressionar o botão direito do mouse pad nas opções “imagem” e “atributos” e inserir as referidas medidas.
Deve-se esclarecer que a edição do tamanho das imagens é importante para a padronização das cartas do “baralho”.
 Portanto, o procedimento de “copiar”, “colar” e “editar” deverá ser aplicado a todas as 10 imagens selecionadas pelos/as alunos/as.
Depois de padronizadas, as 10 imagens selecionadas devem ser impressas em duas vias.
Ainda utilizando o software Kolourpaint, os/as alunos/as devem então ser orientados/as pelo/a professor/a a pressionar o botão direito do mouse pad nas opções “arquivo” e “imprimir”.
Nessa etapa de elaboração do “baralho”, as imagens impressas deverão ser recortadas pelos/as alunos/as com uma tesoura sem ponta e depois coladas em cartolinas ou papel cartão para que, já convertidas em “cartas”, fiquem mais resistentes e possam suportar maior tempo de manipulação.
Por fim, os/as alunos/as poderão usar o “baralho”, brincando de encontrar os pares de cada uma das aves cujas imagens foram selecionadas por eles/as.

4º momento: conhecendo um pouco mais
Nesse quarto momento da aula, o/a professor/a deverá dividir a sala em grupos de 5 alunos/as e propor aos/as mesmos/as que, utilizando o software Mozilla Firefox, acessem a internet e façam uma pesquisa sobre as características básicas de 4 aves diferentes daquelas que os/as mesmos/as escolheram para construir o “baralho”.

O/a professor/a poderá sugerir os sites abaixo, nos quais se encontram disponíveis informações sobre diferentes tipos de aves.
PINGUIM - Spheniscus
BEIJA-FLOR - Colibri
TUCANO – Ramphastus
PELICANO - Pelecanus
AVESTRUZ - Struthio camelus
Concluindo este quarto momento da aula, cada um dos grupos deverá elaborar um relatório seguindo o modelo abaixo.
A seguir, os relatórios devem ser apresentados pelos grupos aos demais a partir de uma exposição dialogada.
 Cabe ao/a professor/a ser o mediador da exposição, observando a capacidade de argumentação dos/as alunos/as, a maneira como cada um expõe suas ideias, defende os seus argumentos e discute com os colegas de sala.
O/a professor/a deve ficar atento com possíveis equívocos conceituais, cabendo a ele/a imediatamente interferir e posicionar os/as alunos/as a pensarem nos conceitos mais adequados e ajustados à realidade.
Relatório: (Modelo)
Nome da Escola:
Nome dos Alunos:
Série:___________Classe:_____________Data:____________
Quais aves foram pesquisadas?
Do que cada uma delas se alimenta?
Onde vive cada uma das aves pesquisadas?
Como são as penas dessas aves?
Essas aves correm risco de extinção?
Quanto tempo os ovos dessas aves pesquisadas demoram para serem chocados?
O que o grupo considerou mais interessante sobre cada ave?
Algum/a aluno/a do grupo já viu alguma ave na natureza? Como essa ave se comportava?

5º momento: Literatura
Objetivos:
Despertar o gosto pela leitura;
Interagir com o livro de maneira prazeroza, reconhecendo-o como fonte de informações e intreterimento;
Desenvolver a capacidade de comentar o que leu.
Beagle é um passarinho muito esperto, tem muitos amigos e um problema para resolver: não sabe quem é.

Autora: Juliana Paes
Ilustrações: Luciana V.Farias

Embora conte com a amizade dos companheiros, não se sente igual a eles.
Com um nome de cão, late, mia e sonha voar para perto da Lua.
Quem diria?, a resposta para a pergunta "Quem sou eu" pode estar... nas asas de uma morcega!
Assunto: autoimagem e construção da identidade.
Interdisciplinaridade: corpo e movimento, identidade e autonomia, linguagem oral e escrita, Estudos Sociais.
Transversalidade: afetividade, pluralidade cultural, ética e cidadania.
Atividades:
1- Organizar roda de brincadeira em que as crianças escolhem o bicho que gostariam de ser.
Elas descrevem para os colegas as características do bicho e as razões que a identificam com o animal.
Depois, cada criança se descreve tal como se vê fisicamente e tal como se sente emocionalmente (quieta, alegre, faladora, sonhadora, etc.), não esquecendo de citar os parentes que tem, com quem acha que se parece e por quê.
Indicação: Educação Infantil e séries iniciais do Ensino Fundamental.
2- Dobraduras como da aula 1
3- Conhecendo-se: Dinâmica:
http://linguagemeafins.blogspot.com/2010/01/dinamica-valores-e-virtudes-270110.html
4- Mural de aves; Gravuras e dados das aves.

Recursos Complementares:
Jogos online

Avaliação:
A avaliação dos/as alunos/as pode ser feita em todos os momentos da aula, a partir das contribuições individuais ou das contribuições do grupo como um todo, assim como a partir do envolvimento dos/as alunos/as nas atividades solicitadas.
Fonte:
Quem sou eu? Quem é o outro?

Autor: Ronis A.de Sousa
Co-autores: Denize D. Campos Rizzotto, Aline Cantalogo, Kellen Cristina Costa Alves Bernardeli, Laís de Castro Agranito
■Possibilitar ao aluno refletir que ele é mais que um simples nome, que ele tem uma identidade;
■Compreender a importância das vivências para a nossa formação;
■Respeitar o outro com suas diferenças e semelhanças.
Duração das atividades:
Aproximadamente 180 minutos, divididos em 3 aulas de 60 min.
Conhecimentos prévios trabalhados pelo professor com o aluno:
■Para o sucesso dessa aula é importante que o grupo tenha vivenciado situações de aprendizado referentes às características de seu corpo na infância, como por exemplo, peso e altura dentre outros e também os vários tipos de sentimentos.
Estratégias e recursos da aula:
Durante esta aula, os alunos terão oportunidade de compreender que são muito mais que um mero nome, possuem uma identidade própria e única.
■Observações:
Esta aula tem uma proposta interdisciplinar, pois trabalha com diferentes áreas do conhecimento: Ética, Alfabetização e Língua Portuguesa.
Professor, em Ética, poderá se trabalhar o respeito mútuo e diálogo.
Na atividade de Língua Portuguesa você poderá trabalhar as diversas formas de linguagem como: oral, escrita e visual, bem como na construção de narrativas para desenvolver os textos.
Na Alfabetização, poderá ser trabalhado o papel da interação entre os alunos e processos de leitura.
A aula está dividida em quatro momentos:
1º Momento: aproximadamente 60 min.
Quem sou eu?
Professor, logo no início da aula, surpreenda os alunos perguntando: “quem é você?”
Faça a pergunta no singular, nunca no plural, para que o aluno entenda que a pergunta é direcionada para ele.
Faça uma tempestade de ideias, ou seja, ouça a todos e aquilo que eles falarem deve ser registrado por você em seu laptop UCA e projetado no quadro para que os alunos visualizem o que estão falando, mas você poderá utilizar a lousa se preferir.
 Escreva a frase “Quem é você?” no centro e escreva as palavras que eles disserem em sua volta.
Geralmente quando fazemos essa pergunta, a tendência é o aluno dizer apenas seu próprio nome. É importante levá-los a entender que são muito mais que meros nomes, mas são seres humanos, alunos, filhos, sobrinhos, primos, colegas de escola e diversos outros papéis sociais, além de serem: legais, amigo, solidário, nervoso, alegre, corajoso e outros adjetivos que podem qualificá-los enquanto seres humanos únicos.
Atividade sugerida em computadores´,mas nada impede de fazer sem.
Como atividade, proponha que eles se desenhem em seus respectivos laptops UCA, assim como eles se veem.
Os desenhos podem ser de corpo inteiro ou apenas o rosto.
Para a atividade, o aluno deverá seguir este caminho: Metasys – aplicativos – aplicações gráficas – ferramenta de pintura – kolourPaint.
2º Momento: aproximadamente 60 min.
Como sou?
Sabemos que somos diferentes entre nós, tanto nas características físicas quanto em nossa personalidade.
Mesmo que na sala existam outras pessoas com o nosso nome, sabemos que somos diferentes, pois, temos nossa própria identidade.
Mas, como é que eu me vejo: alegre ou triste?
Conversador ou caladão?
Envolvo-me com a turma ou sou de ficar quieto na minha?
Professor, este momento é oportuno para explorar o autoconhecimento do aluno.
Será que ele já parou para refletir como ele é?
Se ele pode ou não melhorar?
Vejamos.
1) Assinale com um (X) as alternativas que se parecem com você:
a) ( ) alegre
b) ( ) triste
c) ( ) brincalhão
d) ( ) caladão
e) ( ) bonito
f) ( ) feio
g) ( ) alto
h) ( ) baixinho
i) ( ) querido pelos colegas
j) ( ) querido pelos professores
k) ( ) rosto fino
l) ( ) rosto arredondado
m) ( ) olhos claros
n) ( ) olhos escuros
MINHA IDENTIDADE;
Questione os alunos se eles já têm Carteira de identidade, pois muitas crianças já possuem.
Apesar de não ser obrigatório para crianças algumas famílias fazem para facilitar a identificação do filho.
Questione-os:
- Para que serve este documento?
- Quais informações constam nele?
- Ele conta sobre nós?
Professor, mostre para eles a imagem de um documento de identidade ou solicite que utilizem seus laptops e acessem o sítio
 Utilizando : Mozilla Firefox(Metasys> Favoritos>Navegador de Internet) , para observarem quais informações e como é um documento de identidade.
Solicite aos alunos que construam em seus cadernos e com o auxílio das famílias, uma cédula de identidade.
 No lugar da foto, eles devem desenhar seus rostos.
Peça que utilizem as características físicas assinaladas por eles na atividade acima.
Se for necessário, imprima um modelo para eles terem como parâmetro ou solicite que acessem o sítio a seguir utilizando seus laptops por meio do: Mozilla Firefox(Metasys> Favoritos>Navegador de Internet) .
3º Momento: aproximadamente 60 min.
Professor, problematize com seus alunos: agora já sei quem sou.
Mas e o outro, eu sei quem é?
Devo entender que, com exceção de mim, todos são “o outro”.
Assim como eu, o outro merece todo o respeito.
Um grande filósofo francês dizia que tenho que respeitar os direitos do outro como se fossem meus próprios direitos e também que sou responsável pelo bem estar dele.
É convivendo com os outros, tendo experiências no dia-a-dia com eles que nós aprendemos a gostar de nossas semelhanças e respeitar nossas diferenças.
Quem é o outro?
Solicite que os alunos formem duplas para a realização da atividade.
Peça que desenhe o colega da dupla e em seguida escreva um pequeno parágrafo sobre ele ressaltando apenas as qualidades, pois, os defeitos, ele mesmo reconhecerá no momento adequado.
- Após a realização do desenho, proponha que cada um apresente o colega para a turma.
Neste momento você deve ficar atento para evitar brincadeiras, caso ocorra, discuta sobre o “respeito” ao outro.
- Para finalizar, faça uma exposição dos desenhos no mural, identificando-o com: título da atividade, os autores, o objetivo e a data da realização.
4º Momento:
ENRIQUECENDO O DEBATE
-Professor, a Filosofia também poderá enriquecer este tema, mas muitas vezes a linguagem não está acessível às crianças pequenas, por isso, procure mediar o diálogo entre as crianças e o pensamento filosófico, isto é possível.
- Alguns filósofos nos auxiliam para compreendermos melhor esta temática.
 O filósofo francês, Jean Paul Sartre enriquece o debate, para isto é importante que você consulte antecipadamente os sítios a seguir e veja a sua contribuição.
Depois de ler e assistir ao vídeo, conte para os alunos quem é este filósofo, utilize seu laptop seguindo os passos: Mozilla Firefox(Metasys> Favoritos>Navegador de Internet) e acesse o sítio:
leia para os alunos a bibliografia dele, chamando a atenção para sua trajetória, pois nossas vivências também contribuem para a construção da nossa identidade.
- Depois de explorar a bibliografia do filósofo, assista com eles ao vídeo http://www.youtube.com/watch?v=YzuvoyP9wj8
e procure destacar os pontos em que Sartre aborda a questão “eu Quem sou? Quem é o outro?”
- Depois de realizar esta pesquisa junto com os alunos proponha o registro.
Solicite que utilizem o KWord(Metasys>aplicativos >
Ferramentas de Produtividade>suíte de escritório>
Processador de textos) e digitem as frases que mais gostaram.
 Lembre-se de orientá-los que toda atividade deve ter os dados de identificação: cabeçalho com: nome do aluno, título do trabalho, ano de ensino, data e outros.
Eles poderão imprimir ou lhe enviar por e-mail para que você avalie a construçào textual e a capacidade de abstração.
Se achar melhor, você poderá fazer coletivamente, para isso, resgate as frases que foram destacadas ao longo da apresentação.
Recursos Complementares:
Veja algumas sugestões de sítios para consulta:
Sugestão de sítios sobre Jean Paul Sartre:
Sugestão de vídeo sobre Jean Paul Sartre:
Avaliação:
Professor, a avaliação será processual e pautada nas atividades propostas durante as aulas.
Para isso, verifique se os alunos conseguiram reconhecer que são possuidores de suas próprias identidades e que não estão sozinhos no mundo, assim, devem conviver respeitar e zelar pelo outro. Registre os avanços e as dificuldades que os alunos encontraram ao longo do trabalho e se necessário retome o que você considerar que não foi compreendido por eles.


Identidade
A  importância do nome próprio
 para o aluno em processo de alfabetização

Autor: Maria Ivanilda S.M MOreira
Co-autores: Alciléia Marques Lima; Ivone Bonetti; Marlene Cardoso de Souza; Andréia dos Santos Coelho Oliveira Coelho Vanzin; Maria Juldete Munin; Marled Quadra Riquelme; Maria Elena Martins.
Dados da Aula
O que o aluno poderá aprender com esta aula:
A escrita do nome próprio é uma das mais importantes conquistas do educando que entra no mundo das letras.
Para ele, o conjunto de letras que compõe seu nome o representa, proporciona a percepção de si como um ser social, com um nome próprio que o representa, diz algo sobre sua identidade, sua filiação, sua história.
A escrita do nome próprio tem papel fundamental no processo de alfabetização do educando, pois representa um passo importante de sua entrada no mundo da escrita.
O conhecimento do nome próprio tem duas consequências importantes para os educandos que estão em processo de alfabetização: uma escrita livre do contexto; uma escrita que informa sobre a ordem não-aleatória dentro do conjunto de letras.
A escrita do próprio nome representa uma oportunidade privilegiada de reflexão sobre o funcionamento do sistema de escrita, pelas seguintes razões: tanto do ponto de vista linguístico, como do gráfico, o nome próprio é um modelo estável; é um nome que se refere a um único objeto, com o que se elimina para o educando, a ambiguidade na interpretação; tem valor de verdade porque se reporta a uma existência, a um saber compartilhado por ambos, emissor e receptor; do ponto de vista da função, fica claro que identificar objetos ou indivíduos, com nomes, faz parte dos intercâmbios sociais de nossa cultura; a forma e o valor sonoro convencional das letras; a quantidade de letras necessárias para escrever os nomes; a variedade, a posição e a ordem das letras em uma escrita convencional; a realidade convencional da escrita o que serve de referência para checar as próprias hipóteses.
O trabalho oportunizará aos alunos além da conquista da escrita do próprio nome, a compreensão da escrita do próprio nome; momentos de reflexão sobre a escrita a partir de uma referência estável, o próprio nome; e compreensão da importância do nome próprio, suas letras, sua quantidade, variedade, posição e ordem.
Duração das atividades:
O trabalho poderá ser desenvolvido aproximadamente durante um bimestre
Conhecimentos prévios trabalhados pelo professor com o aluno:
 Roda de conversa para saber o que os alunos acham de seus nomes, se conhecem seu significado, sua história e de que outros nomes gostam;
 Solicitar que pesquisem com seus familiares a história de seu nome.
Estratégias e recursos da aula
Crachá: Confecção e exploração de um crachá de mesa para uso diário, confeccionado em um retângulo de cartolina, de um lado a foto (tirada em sala de aula) e o primeiro nome do aluno, do outro lado, o nome completo, com nome e sobrenome, com letras de imprensa maiúsculas ou cursivas, de acordo com o nível da turma; o segundo crachá é confeccionado com o nome de cada aluno, em um retângulo de cartolina, com furos para encaixar barbante e pendurar no pescoço, que servirá para identificá-los, inclusive fora da sala de aula; o terceiro crachá é elaborado com o nome para ser utilizado no cartaz de pregas como lista de presença, também em retângulos de cartolina.
Comparação de tamanho de nomes: utilizando o cartaz de pregas de presença os alunos serão estimulados a observarem qual o maior e o menor nome, estabelecendo comparações entre a quantidade de letras presentes em cada nome. Mostrar para os alunos que nem sempre o tamanho da pessoa corresponde ao tamanho de seu nome, como nem sempre o tamanho de animais, objetos e coisas, corresponde ao tamanho de sua escrita.
Auto-retrato: Apresentar aos alunos alguns auto-retratos de artistas plásticos como de Romero Britto, Vincent Van Gogh, Tarsila do Amaral e Frida Kahlo, com utilização de data show; explorar as reproduções de auto-retrato, observando o formato do rosto de cada artista, as cores e formas utilizadas; o professor apresenta aos alunos uma caixa-surpresa que, ao ser aberta, descobrem sua própria imagem, refletida em um espelho colado no fundo da caixa; solicita ainda que observem a estética do seu rosto; em seguida distribui-se diferentes materiais, como papel, lápis de cor, giz de cera e caneta hidrocor, para que os alunos construam seus auto-retratos, lembrando-os de assinarem suas obras.
Verificar postagens destes artistas no toque's guia> Pintores e Afins ou seus nomes
Concluídas as produções, é realizada uma exposição onde os alunos tentarão identificar o autor do auto-retrato; o mesmo apresenta sua obra, se apresenta, , fala sobre a origem do seu nome , se gosta ou não do mesmo.
Trabalho com a poesia: “O nome da gente”, de Pedro Bandeira: Trabalhar com o título da poesia; Verificar, com os alunos o sentido do título, fazer antecipações da leitura; Ler o texto  http://ocantinhodalena.com.br/criancas/crian03/crian03.htm  
com os alunos.
Fazer questionamentos orais sobre o mesmo.
Preguicinha: O educador apresenta a “preguicinha” que é um envelope retangular confeccionado em EVA, com o nome completo de cada educando dentro dela.
 A leitura do nome é feita retirando devagar o nome, apresentando letra por letra à classe, estimulando-os a leitura do mesmo.
O ideal é trabalhar nomes que se iniciam com a primeira e segunda ou última letras iguais, instigando-os a fazerem comparações, descobertas, como por exemplo: Ivone, Ivanilda, Ivete, Iria e Ingrid; Alcione, Alciléia, Alda, Aldo e Almerinda.
Salada de nomes: Os educandos recebem um alfabeto móvel ou sílabas móveis, de acordo com o nível da turma, com as letras/sílabas utilizadas para construir seu nome e sobrenome; com as quais são estimulados a construírem seus nomes com o auxílio do crachá; após o trabalho com o alfabeto móvel/ sílabas móveis, os educandos são instruídos e estimulados a formarem outros nomes com as letras utilizadas para construção do seu nome; cada um registrará os nomes construídos.
Bingo dos nomes: Fornecer uma folha de papel com cinco espaços em branco.
O aluno escreve o próprio nome em um dos espaços e os nomes de quatro colegas. Sorteiam-se os nomes e os alunos que os estiverem vão marcando ponto.
 Aquele que completar sua cartela primeiro vencerá o jogo.
Acróstico: Formar um acróstico com o nome de cada aluno da turma.
Cada um vai dizer as qualidades do colega, que serão escritas conforme a letra presente no nome.
Os acrósticos serão expostos no mural da escola.
Recursos Complementares:
Avaliação:
 O progresso dos alunos será avaliado através de uma folha de assinaturas: toda semana, enquanto a turma está aprendendo a escrever o nome próprio completo, o professor passará uma folha pautada datada, para cada aluno assinar.
Essa folha será exposta no varal e trocada por outra nova a cada semana.
As folhas serão digitalizadas e organizadas em uma apresentação de slides, para cada um avaliar o tanto seu próprio progresso individual, quanto coletivo na escrita do nome de todos os colegas da turma, em uma apresentação semestral, para os alunos com participação dos responsáveis.
Referência Bibliográfica:
 RUSSO. Maria de Fátima, VIAN. Maria Inês Aguiar, Alfabetização um processo em construção. Editora Saraiva.
 SOLÉ. Isabel de, Estratégias de leitura. Editora Artes Médicas.
 TEBEROSKY. Ana, Psicopedagogia da linguagem escrita. Editora Trajetória Cultural/Unicamp.




Link para essa postagem


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário e retornarei assim que for possível.
Obrigada pela visita e volte mais vezes!
Linguagem não se responsabilliza por ANÔNIMOS que aqui deixam suas mensagens com links duvidosos. Verifiquem a procedência do comentário!
Nosso idioma oficial é a LINGUA PORTUGUESA, atenção aos truques de virus.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mais sugestões...

2leep.com
 
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios