BlogBlogs.Com.Br

CATIVA-ME

Glitter Photos

ESCREVAM-ME!

PROFESSORAS VISITANTES
FICO HONRADA COM O SUCESSO DO LINGUAGEM.
E GRAÇAS A VOCÊS!
SERIA MUITO BOM RECEBER PALAVRINHAS...
QUEM SABE SUGESTÕES,DEPOIMENTOS,ETC.
EMAIL ABAIXO:

Colaboração e Direitos

Colaboração e Direitos Autorais
Olá amiga(o) ,
Fui professora dos projetos "Estímulo À Leitura",
"Tempo Integral" e a favor da leitura lúdica,
afinal, quer momento mais marcante que a fantasia da vida?
Portanto, será um prazer receber sua visita em mais um blog destinado a educação.
Nele pretendo postar comentários e apreciações de materiais didáticos de Língua Portuguesa, além de outros assuntos pertinentes, experiências em sala de aula, enfocando a interdisciplinaridade e tudo que for de bom para nossos alunos.
Se você leu, experimentou, constatou a praticidade de algum material e deseja compartilhar comigo,
esteja à vontade para entrar em contato.
Terei satisfação em divulgar juntamente com seu blog, ou se você não tiver um, este espaço estará disponível dentro de seu contexto.
Naturalmente, assim estaremos contribuindo com as(os) colegas que vêm em busca de sugestões práticas.
Estarei atenta quanto aos direitos autorais e se por ventura falhar em algo, por favor me avise para que eu repare os devidos créditos.
Caso queira levar alguma publicação para seu blog, não se
esqueça de citar o "Linguagem" como fonte.
Você, blogueira sabe tanto quanto eu, que é uma satisfação ver o "nosso cantinho" sendo útil e nada mais marcante que
receber um elogio...
Venha conferir,
seja bem-vinda(o)
e que Deus nos abençoe.
Krika.
30/06/2009

VejaBlog - Seleção dos Melhores Blogs/Sites do Brasil

LINGUAGEM FOI SELECIONADO EM JANEIRO/2011.
OBRIGADA!

Daisypath Anniversary tickers

Daisypath Anniversary tickers

Linguagem social...

Glitter Photos

Comemoração

Glitter Photos
JUNHO 2017
8 ANOS DE LITERATURA INFANTIL

terça-feira, março 25, 2014

Coelho> Páscoa >Estímulos literários> 25/03/14


O coelhinho de orelhas azuis
  Era uma vez um coelhinho que tinha as orelhas azuis da cor do céu. 
Quando reparou que os outros coelhos não tinham as orelhas da mesma cor, ficou muito envergonhado. Deixou de brincar com eles e preferiu estar sozinho.
 O único amigo que tinha era a lua que aparecia no céu à noite. 
O coelhinho contou-lhe toda a sua tristeza, mas a lua nunca lhe respondia. 

 O coelhinho decidiu sair dali e procurar um sítio onde ninguém o conhecesse.


Contudo, para onde quer que fosse, todos ficavam admirados com as suas orelhas azuis e riam-se dele.


 "O meu lugar não é aqui, e a culpa é das minhas orelhas azuis."

  Um dia, ao passar em frente de uma casa, encontrou no chão o chapéu de um limpa-chaminés.

  "É exatamente disto de que estou a precisar!", pensou o coelhinho. E escondeu as orelhas por baixo do chapéu.

 Aprendeu a subir às chaminés, a trabalhar com a vassoura e a limpar os fogões. 

 — Agora pertenço à corporação dos limpa-chaminés — disse o coelhinho.

 Mas, certo dia, o chapéu ficou-lhe preso na chaminé e os outros limpa-chaminés viram as suas orelhas azuis. 
Começaram imediatamente a rir e a gritar:

 — Não és um limpa-chaminés a sério!

   O coelhinho, cheio de vergonha, fugiu dali a correr e só a lua o acompanhou.

   Depois, encontrou um chapéu de cozinheiro em frente de um restaurante.

   "É exatamente disto de que estou a precisar!", pensou o coelhinho. 
E escondeu as orelhas por baixo do chapéu de cozinheiro.

 Aprendeu a manusear uma sertã, a cozinhar legumes e a assar carne.

   — Agora faço parte da corporação dos cozinheiros — disse o coelhinho.

   Mas, certo dia, o chapéu voou-lhe para a sopa e os outros cozinheiros viram as suas orelhas azuis. Começaram então a rir e a gritar:

   — Tu não és um cozinheiro a sério!

  O coelhinho, cheio de vergonha, fugiu dali a correr e só a lua o acompanhou.

  Em frente de uma casa, encontrou um chapéu de jardineiro. 

   "É exatamente disto que estou a precisar!", pensou o coelhinho. 
E escondeu as orelhas por baixo do chapéu de jardineiro.

   Aprendeu a cavar, a plantar árvores e a cuidar de flores.

 — Agora pertenço à corporação dos jardineiros — disse o coelhinho. 

Mas, num certo dia, uma forte rajada de vento arrancou-lhe o chapéu da cabeça e os outros jardineiros viram as suas orelhas azuis.
 Começaram imediatamente a rir e a gritar:

  — Tu não és um jardineiro a sério!

  O coelhinho, cheio de vergonha, fugiu dali a correr e só a lua o acompanhou.

   Ao passar diante de um circo, encontrou o chapéu de um palhaço.

  "É exatamente disto de que estou a precisar!", pensou o coelhinho. E escondeu as suas orelhas por baixo do chapéu de palhaço.

  No circo aprendeu a tropeçar nos próprios pés e a fazer caretas.

— Agora pertenço à corporação dos palhaços — disse o coelhinho.

 Até que um dia, um macaco lhe roubou o chapéu da cabeça e os outros palhaços viram as suas orelhas azuis. Começaram a rir e a gritar:

  — Tu não és um palhaço a sério!

  O coelhinho, cheio de vergonha, fugiu dali a correr e só a lua o acompanhou.

  Certa vez encontrou, debaixo de uma ponte, o chapéu de um vagabundo. 

  "É exatamente disto de que estou a precisar!", pensou o coelhinho. 
E escondeu as orelhas por baixo do chapéu de vagabundo.

  Aprendeu a ser preguiçoso, a deitar-se à sombra, e a sonhar durante o dia.

  — Agora faço parte da corporação dos vagabundos.

  Mas, certo dia, o rio levou-lhe o chapéu e os outros vagabundos viram as suas orelhas azuis.

 — Tu não és um vagabundo a sério!

  Então o coelhinho não quis fugir nem usar mais nenhum chapéu. Sentou-se à beira de um regato no meio de um bosque.

  — Não sou um limpa-chaminés a sério, nem um cozinheiro, nem um jardineiro, nem um palhaço, e também não sou um vagabundo. Afinal, o que sou eu?

 Nesse momento, a lua apareceu no céu e transformou o regato num espelho. 
Aí, o coelhinho descobriu outro coelhinho, ele mesmo.
E o coelho tinha orelhas azuis. 
Quanto mais olhava para si à luz da lua, mais gostava daquelas orelhas, das suas orelhas.

  Até que, de repente, descobriu: a culpa da sua infelicidade não eram as orelhas, mas sim o facto de ter sentido vergonha delas.

O coelhinho desatou a correr, e só a lua o acompanhava. 
Pelo caminho, encontrou os vagabundos, os palhaços, os jardineiros, os cozinheiros e os limpa-chaminés. 
A todos mostrou, com orgulho, as suas orelhas azuis e ninguém pensou em rir-se delas.

   O coelhinho ficou contente com tudo o que tinha aprendido: a subir à chaminé, a trabalhar com a vassoura, a limpar fogões, a segurar uma sertã, a cozinhar legumes, a assar carne, a cavar a terra, a plantar árvores, a cuidar de flores, a tocar trompete, a tropeçar nos próprios pés, a fazer caretas, a preguiçar, a deitar-se à sombra e a sonhar. 


Dramatização
Clique aqui:

O coelhinho branco

Viva! Esta semana que passou tivemos muito interessados a ouvir a nossa história sobre um coelhinho. Foi o máximo criou em nós um friozinho na barriga de tanto entusiasmo…
Então a história do “Coelhinho Branco” começa assim…
“Era uma vez um coelhinho branco que um dia foi buscar couves à horta para fazer um caldinho. Quando o coelhinho branco voltou para casa, encontrou a porta fechada e bateu: 
Continua no link abaixo:

Vejam  no link









Link para essa postagem


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário e retornarei assim que for possível.
Obrigada pela visita e volte mais vezes!
Linguagem não se responsabilliza por ANÔNIMOS que aqui deixam suas mensagens com links duvidosos. Verifiquem a procedência do comentário!
Nosso idioma oficial é a LINGUA PORTUGUESA, atenção aos truques de virus.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mais sugestões...

2leep.com
 
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios