BlogBlogs.Com.Br

CATIVA-ME

Glitter Photos

ESCREVAM-ME!

PROFESSORAS VISITANTES
FICO HONRADA COM O SUCESSO DO LINGUAGEM.
E GRAÇAS A VOCÊS!
SERIA MUITO BOM RECEBER PALAVRINHAS...
QUEM SABE SUGESTÕES,DEPOIMENTOS,ETC.
EMAIL ABAIXO:

Colaboração e Direitos

Colaboração e Direitos Autorais
Olá amiga(o) ,
Fui professora dos projetos "Estímulo À Leitura",
"Tempo Integral" e a favor da leitura lúdica,
afinal, quer momento mais marcante que a fantasia da vida?
Portanto, será um prazer receber sua visita em mais um blog destinado a educação.
Nele pretendo postar comentários e apreciações de materiais didáticos de Língua Portuguesa, além de outros assuntos pertinentes, experiências em sala de aula, enfocando a interdisciplinaridade e tudo que for de bom para nossos alunos.
Se você leu, experimentou, constatou a praticidade de algum material e deseja compartilhar comigo,
esteja à vontade para entrar em contato.
Terei satisfação em divulgar juntamente com seu blog, ou se você não tiver um, este espaço estará disponível dentro de seu contexto.
Naturalmente, assim estaremos contribuindo com as(os) colegas que vêm em busca de sugestões práticas.
Estarei atenta quanto aos direitos autorais e se por ventura falhar em algo, por favor me avise para que eu repare os devidos créditos.
Caso queira levar alguma publicação para seu blog, não se
esqueça de citar o "Linguagem" como fonte.
Você, blogueira sabe tanto quanto eu, que é uma satisfação ver o "nosso cantinho" sendo útil e nada mais marcante que
receber um elogio...
Venha conferir,
seja bem-vinda(o)
e que Deus nos abençoe.
Krika.
30/06/2009

VejaBlog - Seleção dos Melhores Blogs/Sites do Brasil

LINGUAGEM FOI SELECIONADO EM JANEIRO/2011.
OBRIGADA!

Daisypath Anniversary tickers

Daisypath Anniversary tickers

Linguagem social...

Glitter Photos

Comemoração

Glitter Photos
JUNHO 2017
8 ANOS DE LITERATURA INFANTIL

sábado, novembro 02, 2013

Valentina >Estímulos literários afro-brasileiros> 02/11/13

A realidade de uma menina que mora num morro, com seus pais.
Ela  sonha ser uma princesa e seus pais rei e rainha...



VALENTINA
MÁRCIO VASSALLO

Valentina morava num castelo, na beira do longe, lá depois do bem alto. 
E a princesa não entendia porque a rainha e o rei passavam o dia todo fora de casa.
Eles diziam para ela que precisavam trabalhar. 
Mas Valentina não conseguia entender porque um rei e uma rainha tinham que trabalhar. A princesa não entendia: por que os pais dela tinham que sair antes de o sol engatinhar?
Por que todos os dias eles tinham que descer lá do castelo?
Por que eles tinham que descer e subir aquele tanto de vezes?
E a menina entendia menos ainda quando o rei e a rainha diziam que só saiam do castelo para a princesa ser alguém na vida. 
Valentina vivia dizendo que não queria ser alguém na vida. 
Ela dizia que já era alguém e pronto, não precisava ser mais ninguém. 
Mas os pais da Valentina explicavam que um dia ela ia entender por que eles realmente precisavam descer do castelo.
Mas aquele dia não chegava nunca.
E Valentina, que só tinha ouvido para o descabido, continuava sem entender: por que uma rainha e um rei precisavam trabalhar?
Por que eles precisavam descer do castelo para fazer muitas coisa lá embaixo, em vez de ficar o tempo todo com ela?
Quando os pais da Valentina saíam, ela ficava com a tia – uma donzela de costela aparecida. E a tia da Valentina, com voz de buzina, gostava de dizer para os vizinhos que a menina tinha uma beleza que não cabia em página de livro. É verdade: a beleza da Valentina cabia mais era no olho de quem conhecia ela de perto.
Porque só quem chegava perto da Valentina é que via que a princesa tinha orelha de abano para escutar cochicho de nuvem e perna comprida para pular pensamento. 
O riso da Valentina esparramava pelo rosto que nem gato espreguiçado. 
E ela também tinha uns óculos espichados, que ficavam ali, na frente dos olhos, feito guarda-sóis transparentes.
Então quem conhecia a Valentina de perto não entendia como uma princesa assim podia viver ali, tão longe de tudo, como se em longe de tudo não pudesse existir boniteza. Além do mais, ninguém explicava direito para a menina onde é que ficava esse tal de Tudo.
Bem, na realidade, Valentina achava que Tudo era ali onde ela vivia. E mesmo como os dragões do lugar apavoravam todo mundo e cuspiam fogo e barulho para todos os lados, a rainha e o rei cercavam o castelo com pensamentos bem esticados e acalmavam a filha, contando histórias para ela dormir.
E a princesa gostava de mostrar para as amigas que o castelo onde ela morava tinha torre com escada enluarada e porta de asa aberta. 
Valentina também mostrava que a cama em que ela dormia tinha vontade guardada para a noite e cheiro de abraço amarrotado. 
E o castelo da Valentina tinha brilho que transbordava da sombra. O quintal da Valentina tinha galo que esfregava o berro do muito cedo.
O quarto da Valentina tinha janela com vista para dentro e cortina que abria ideia.
E ela ficava um tempão olhando para um monte de outras paisagens, de caber suspiro. E ela olhava para frente, olhava para trás, olhava para os lados, olhava para cima, olhava para baixo.
Aliás, foi num dia assim, olhando para o lá embaixo, na beira de outro longe, que a Valentina viu o tal lugar que as pessoas chamavam de Tudo.
E a princesa foi com os olhos e com os pés conhecer Tudo de perto.
A rainha e o rei diziam para a filha que era perigoso descer do castelo sozinha, que lá embaixo tudo era bem diferente de onde elas viviam e por isso foram junto.
Só que quando chegou lá pela primeira vez, Valentina achou que em Tudo as meninas eram iguais. 
Afinal, todas usavam as mesmas roupas, todas falavam do mesmo jeito, todas gostavam das mesmas cores, dos mesmos passeios, das mesmas pessoas, todas queriam as mesmas coisas o tempo todo.
Na curva do bem fundo, naquele lugar, as meninas sonhavam em ser princesas.
Mas Valentina não queria ser princesa. 
Princesa ela já era onde quer que estivesse.
E ela ficava toda sorrida, sempre que descia junto com a rainha e o rei, e, la de baixo, apontava onde os três moravam, no meio de um bocado de outros castelos, num morro do Rio de Janeiro, logo depois do mais longe de tudo.


Valentina é um conto atual por conter aspectos inovadores.
 Ele traz como personagem central uma princesa que rompe com o modelo tradicional – ela é negra, tem orelhas de abano, pernas compridas e usa óculos. 
Outra inovação é a abordagem da questão social, visto que a história se passa em um morro do Rio de Janeiro, na favela. 
Essa questão não é percebida pelo leitor através do texto verbal, mas devido às imagens que representam a princesa e o espaço onde vive. Valentina é uma princesa simples que não se identifica com o luxo e a beleza das princesas clássicas. 
As ilustrações de “traços simples e fortes (...), são feitas a partir de papel reciclado, papel de jornal, recortes, fotografia...”. (ROCHA, 2012). Essa composição pode ser observada até mesmo na capa do livro, pois a coroa da princesa é de jornal.


Escrito por Márcio Vassallo e Ilustrado por Suppa - Global Editora
Valentina é filha de um rei e de uma rainha, portanto, uma princesa.

Um princesa que é negra, usa óculos e tem orelhas de abano. Tudo dito e ou ilustrado de forma positiva. 
Ela vive em um castelo que é uma casa em um morro. O rei e a rainha são pessoas que descem para o asfalto, diariamente, para trabalhar e tentam proteger a filha das coisas não boas do mundo. Os pais de Valentina desejam o que muitos pais desejam aos seus filhos e que, como Valentina, não entendem o significado de: "ser alguém na vida".
O autor descreve Valentina e o "seu mundo" de forma muito poética e o asfalto de forma mais crítica.
Valentina é amada e bem cuidada pelos pais e tem uma autoestima elevada, portanto vai na contramão do que predomina no imaginário coletivo sobre as relações pais e filhos das pessoas que moram nos morros e favelas.
Quantas "Valentinas" encontramos em nossas salas de aula? Na minha caminhada já tive a felicidade de ver muitas. 
Li que Valentina significa: forte, vigorosa, capaz de passar por cima de qualquer obstáculo quando quer realizar algo. Esta personagem não poderia ter outro nome.

O livro é muito rico em detalhes que só quem tem um olhar e uma escuta sensível poderia ser capaz de traduzir em palavras e imagens.
Toda vez que leio este livro fico querendo ler mais sobre a Valentina. Quem sabe um dia o autor não nos presenteia com a continuação de Valentina?






Link para essa postagem


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário e retornarei assim que for possível.
Obrigada pela visita e volte mais vezes!
Linguagem não se responsabilliza por ANÔNIMOS que aqui deixam suas mensagens com links duvidosos. Verifiquem a procedência do comentário!
Nosso idioma oficial é a LINGUA PORTUGUESA, atenção aos truques de virus.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Mais sugestões...

2leep.com
 
©2007 Elke di Barros Por Templates e Acessorios